História

 

Um breve histórico Embasamento Legal

Em 21 de julho de 1977, a portaria ministerial nº 280/bsb do gabinete do Ministério da Saúde instituiu o Sistema Nacional de Laboratório de Saúde Pública.

O objetivo desse sistema de laboratório é criar unidades de prestação de serviço em todo o território nacional que:

  • Apoie o sistema de Vigilância Epidemiológica;
  • Atenda a coletividade em sua área de abrangência;
  • Utilize métodos e técnicas padronizadas em âmbito nacional;
  • Seja responsável pela determinação direta e indireta, da presença de agentes etiológicos de quadros nosológicos, endêmicos e epidêmicos;
  • Apoie a vigilância sanitária de determinados produtos de consumo humano;
  • Esteja voltada para o “atendimento de massa” e capacitada a proporcionar ampla cobertura e apoie os programas de saúde instituídos pelo Ministério da Saúde.

Os laboratórios de saúde publica não se constituem em estabelecimentos isolados: são elementos integrantes de uma rede articulada e interdependentes de unidade de prestação de serviços especializados, em complexidade crescente. O Laboratório Central de cada Estado é o de maior complexidade e referência Estadual.

A Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública conta hoje com 27 Laboratórios Centrais (Lacens) estruturados como Referência Estadual, Referência Macro Regional e referência Nacional, existindo entre eles intercâmbio de análise, treinamentos de recursos humanos, produção de trabalhos científicos e produção de imunobiológicos.

Toda rede é coordenada e assessorada pela Coordenação Geral de Laboratórios CGLAB/CENEPI/FUNASA do Ministério da Saúde.

Técnicas e Controle de Qualidade

As técnicas utilizadas pelo LACEN-AL são as padronizadas em âmbito nacional para os Laboratórios de Saúde Pública. Os Laboratórios Macro Regionais são responsáveis pelo controle de qualidade das doenças sob vigilância, retestando todos os resultados positivos e percentual de resultados negativos.

Existe ainda controle de qualidade específico para imunofenotipagem de linfócitos (CD4CD8), e carga viral do HIV (Nacional e Internacional) como também para sífilis e HIV.

O LACEN-AL participa do Programa Nacional De Controle de Qualidade da Sociedade Brasileira de Análise Clínicas. (PNCQ/SBAC).